A Bahia, a África e as Grandes e Grandiosas obras de Emanoel Araújo

quinta-feira, 20 de maio de 2021 19:14:38 America/Sao_Paulo

Emanoel Araújo - Aranha - Escultura

Emanoel Araújo - Aranha - Escultura

Pintor, gravador e escultor, Emanoel Araújo nasceu em 1940 em Santo Amaro da Purificação, cidade do Recôncavo Baiano, e começou sua jornada artística logo cedo, já que era oriundo de uma família de ourives. Seu pai o obrigou, ainda muito novo, a fazer um curso de marcenaria com “seu mestre”, como ele mesmo diz, Eufrásio Vargas. Pode se dizer que esse curso foi seu caminho de entrada na arte e, mesmo que começasse com trabalhos em tela, o ajudaria muito no decorrer de sua carreira e seus futuros trabalhos com esculturas.

Em sua cidade natal, Emanoel foi expulso de escolas, fez artes gráficas, foi colega de importantes nomes da arte brasileira como Caetano Veloso e deu seu pontapé inicial mais importante no “mundo da arte”. Sua primeira Exposição Individual ocorreu quando tinha apenas 19 anos, em 1959. Em 1961, o baiano começou seus estudos de gravura na Escola de Belas Artes da Bahia com o também pintor, escultor e gravador Henrique Oswald.

Emanoel Araujo - Sem Título 1 - Serigrafia

Emanoel Araujo - Sem Título 1 - Serigrafia

Um artista da Bahia que adotou São Paulo

Nos anos 70, o artista plástico começou a flertar com obras mais abstratas e partiu para uma vertente construtivista, com trabalhos menos figurativos, com formas menos realistas, mais geométricas e de tamanho grande.

Emanoel Araújo - Bicho Alado - Escultura - Crédito: MASP

Emanoel Araújo - Bicho Alado - Escultura - Crédito: MASP

No começo, os trabalhos abstratos eram predominantemente gravuras. Com o passar do tempo foram sendo adicionados relevos e formas geométricas em terceira dimensão, formas estas que tinham ligação enorme com a cultura africana, tanto na cor quanto na forma. Ondulações, relevos, cores e tons que se ligavam ao mesmo tempo com a cultura negra, baiana e africana.

Emanoel Araújo - Gravura de Armar – Gravura

Emanoel Araújo - Gravura de Armar – Gravura

Um dos poucos reconhecidos artistas plásticos negros do Brasil, Emanoel Araújo escolheu e adotou a cidade de São Paulo como sua moradia e foi nela onde teve seu primeiro contato com o racismo. Vindo da Bahia, lugar em que segundo ele todos “eram a mesma coisa e da mesma cor”, aqui ouviu de um conhecido que era o primeiro negro a entrar em sua casa.

Melhor escultor, gravador e medalha de ouro

Em 1972 Emanoel recebe Medalha de Ouro na 3ª Bienal Gráfica de Florença, na Itália. Em 1973, foi reconhecido pela Associação Paulista de Críticos de Arte, a APCA, com o prêmio de Melhor Gravador e em 1983 recebe, pela mesma associação, o prêmio de Melhor Escultor.

Em 2009, o artista plástico foi reconhecido com o Oficialato da Ordem do Ipiranga.

Emanoel Araújo - Sem Título 1 - Escultura

Emanoel Araújo - Sem Título 1 - Escultura

Curiosidades

Em 1988, Emanoel Araújo chegou a dar aula de Artes Gráficas e Escultura no Arts College, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Antes disso, comandou o Museu de Arte da Bahia entre 1981 e 1983. Foi também Diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo, um dos locais de maior importância para a Cultura da Arte Brasileira.

Araújo é um artista muito desprendido de suas obras, tanto as de sua construção como as de sua coleção. Costuma doar obras que compra em suas viagens à Europa ou a África, por exemplo, e gostava de, com suas palavras, se “desfazer” de algumas obras que faziam referência a cidades ou países por onde passou.

Para ele, suas exposições são feitas como uma maneira de agradecimento e de devolver o que recebeu de conhecimento e experiência aos locais por onde passou.

Emanoel fundou e comandou o Museu Afro Brasil no Ibirapuera, em São Paulo, e até hoje produz obras de grande importância para a arte brasileira.